quarta-feira, 27 de março de 2013

República Teocrática do Brasil

"Ouviram do Ipiranga as margens plácidas / De um povo heroico o brado retumbante"

Este deveria ser o início do nosso hino. Pois bem: não pode ser mais. Hoje demos mais um passo para oficializar a teocracia no Brasil.

Ninguém vai estar as margens plácidas de nenhum riacho. Preferem estar por aí, onde tenha gente, que "precisa" ser evangelizada.

O brado retumbando surge de qualquer porta de loja ou boate que se fechou e que agora acumula um microfone, alto falantes, um pedestal em frente a várias cadeiras de plástico.

Para quem não viu a notícia, delicie-se: 


Eu evito ao máximo discutir aqui sobre religiões, porque eu sei que vários professam a sua fé e eu realmente não pretendo ofender a ninguém, mas chega um momento que é difícil dormir de tão sufocado. Enquanto religiões disputarem poder e tentar interferir na vida de quem não tem nada a ver com elas, eu me sinto no direito de ser contra, da mesma forma que elas fazem comigo e com você também!

Hoje, a Comissão de Constituição e Justiça do circo do qual somos palhaços da Câmara dos Deputados aprovou uma emenda que permite a entidades religiões questionar o que é ou não constitucional para o Supremo Tribunal Federal.

E daí? 

Bem... as entidades religiosas poderão interferir na instância mais poderosa do país. A questão é: DESDE QUANDO POLÍTICA É DA CONTA DAS RELIGIÕES?

Óbvio que temos uma resposta bem antiga para isso, porque desde que alguém resolveu a inventar o(s) primeiro(s) deus(es) para explicar a criação do mundo, as religiões interferem na política e, portanto, na sociedade, na busca de normatizá-la.

O que acontece é que já se passaram, no mínimo, 19 mil anos do surgimento das primeiras civilizações e as pessoas ainda não compreendem que seres extra terrestres (deuses não ficam na Terra, logo eles não são "terrestres) não governam, com o perdão da expressão, PORRA NENHUMA! Lembre-se que pode ser que você creia em um deus único porque você é ocidental. Se você fosse indiano, pode ser que você acreditaria em vários. Mas você não está nem aí, certo? Porque o seu deus é o certo, certo? Pois bem: más notícias... o deus certo é o polinésio.

Estou eu aqui para ofender a sua religião e sua crença? Não. Nem para fazer proselitismo para o ateísmo, mas preciso que você reflita que não me interessa o que a bíblia diz: ela NÃO pode governar minha vida. Ela NÃO é a constituição. Ela NÃO pode ser base para constituir os deveres e direitos humanos.

Se a bíblia tivesse algum poder na nossa constituição (que ainda é a nossa carta magna cheia de erros e falhas, mas é passível de modificações) talvez poderíamos ter escravos, transformar água em vinho, juntar TODOS OS ANIMAIS DO MUNDO num mesmo barco e não poderíamos comer crustáceos e maçãs. Se todos acreditam no céu, porque ninguém mais acredita no inferno, no diabo? O diabo não é tão poderoso quando o deus ocidental?

Estou indo longe de mais para simplesmente dizer que acho que religiões acabam com a humanidade, porque elas alienam, elas desconstroem famílias. Quantos aqui não foram ou serão rejeitados por parentes por serem gays e/ou ateus? Porque é errado, não é? Porque? Porque a bíblia diz...

Se você acha que eu sou um viado ateu filho da puta que tem mais que sofrer na vida, que bom! Porque eu sou isso mesmo! Eu não saio batendo de porta em porta perguntando as pessoas se elas querem ouvir as palavras de Paris Hilton ou juntar para ir louvar Madonna. Não sou eu que saio guerreando por aí, matando pessoas, porque Britney disse que a minha raça que é a certa ou que aquela terra pertence ao povo de Britney. Não sou eu que vou brigar com meu filho por ele não acreditar que a Lady Gaga é mulher.

Não aceito uma teocracia no Brasil simplesmente porque não faz sentido. Eu sou um cidadão e não um fiel. Eu já pago muitos impostos e não estou afim de pagar dízimos. E não vai ser nenhum dos deuses das 10 mil religiões no mundo que vão mudar minha cabeça. Intolerante eu? Possivelmente! Porque são fiéis que apanham na rua por ser fiéis e não gays!. São fiéis que são tratados como doentes pelas famílias e não gays ou ateus. São fiéis que são mais caridosos que pessoas não religiosas (não, péra!).

Se o texto te ofendeu, não posso fazer muita coisa. Provavelmente você vai querer me bater, ou me mandar pro inferno, ou sei lá mais o quê. Eu não quero muita coisa de você: só quero que sua bíblia fique longe da minha constituição e que seu preconceito criado em um livro de ficção tido como real, com um personagem que não existe NENHUMA referência histórica válida fique bem longe de mim e de quem não precisa dela para viver ou perceber que moral e caráter são coisas que você aprende com cidadania (e não com a inquisição).

domingo, 24 de março de 2013

Alforria do século XXI?

(Antes de continuar o texto, POR FAVOR, veja que eu INFELIZMENTE tenho sim que comparar nossos dias atuais com um dos piores e mais ridículos momentos da história mundial. Enquanto ser humano, sinto muitíssimo por termos passado por tudo isso, mas espero que possam entender a comparação. Se alguém se sentir ofendido, por favor, entenda que isso jamais será a intenção.).

Infelizmente, tive que retornar ao post anterior. A triste história do "olha, ele é gay" ainda persistiu. Hoje de manhã o meu tio gay e seu amante (?) (o rapaz tem um namorado bem mais velho e meu tio "namora" com o rapaz) foram lá em casa. Sei lá como (visto que ele não tem Facebook), o meu tio ficou sabendo dos meus compartilhamentos e "ativismo" na internet e fora dela. Ele, que é gay e tem o dobro da minha idade, buscou me "abrir os olhos" para as "besteiras" que eu tenho "andado fazendo". Tive que ouvir novamente os mesmos argumentos da minha mãe: posso ser demitido do emprego, posso sofrer agressões, pessoas comentam, não preciso expor minha OPÇÃO SEXUAL etc.

Neste momento, a minha irmã, novamente, estava gritando sobre como eu "não deveria ser gay" na rua, pois ela, novamente, "não era obrigada" a ser apontada como "a que tem o irmão gay".

Voltando no meu tio, ele adicionou um argumento novo: eu não deveria fazer nada daquilo porque eu não ia ter nada em troca, pois as pessoas não estão nem aí. Eu disse que enquanto as pessoas sofrerem por conta da CONDIÇÃO SEXUAL delas e crianças se matarem por isso, eu vou fazer o que eu puder fazer. Ele novamente disse que ninguém está nem aí e que os gays que quiserem se matar, que se matem. Disse, ainda, que homens que "se querem ser mulheres devem apanhar mesmo". Neste momento, acabaram meus argumentos. Eu fiquei parado, perplexo. A única coisa que consegui fazer me retirar da sala e ir me arrumar no meu quarto. Não tinha mais o que ser dito.

Mas a estória não acabou por aí. Fui para a casa de minha avó e uma tia minha, quem, obviamente, considero muitíssimo, era a principal "familiar" indignada com minha "situação ativista". Muitas vezes, me senti deslocado na família, mas hoje foi a primeira vez que me senti rejeitado. Ela não olhou nos meus olhos, ela mal me cumprimentou, não rolou o tradicional beijo que eu sempre dou em sua testa.

Hoje eu me senti no século XVII. Me senti o negro escravizado da senzala. Me senti aquele que não havia motivo algum de ser tratado daquele jeito. Me senti sem direitos de ser feliz. Senti como se não existisse alforria. Parece que eu poderia ser lixado, castigado, queimado ali mesmo.

Isso dói porque não precisávamos passar por isso, nenhum de nós. Dói porque mesmo depois de 7 mil anos do aparecimento de grandes filósofos, nós ainda não sabemos o que são direitos humanos. Dói porque vivemos hoje, desnecessariamente, o que apenas palavras não conseguem expressar o que os negros viveram durantes séculos. Desculpem-me esta infeliz comparação, mas é verdade. E, ainda, sabemos que, infelizmente, ainda se repercute nos dias atuais. Sem falso senso de igualdade, nossa sociedade hipócrita ainda seleciona pessoas pela sua cor de pele, cor dos olhos, tipo de cabelo, classe social, condição sexual etc. 

Mas por quê?

Isso que não me faz sentido! Isso que não é possível de entender. Somos todos iguais. Nascemos todos absolutamente da mesma forma. Iremos absolutamente para o mesmo lugar e mesmo assim existe uma seleção dos "mais elevados"? Dos "mais dignos de viver"? Dos "mais bonitos nos padrões construídos e que merecem ter uma vida superior aos demais"?

Hoje eu me senti um nada para eles. E eu sei que muitos se sentem assim algumas vezes. Mas, na verdade, a questão é ligar o "foda-se". Eu não vou preencher com uma culpa inexistente e desnecessária a felicidade que tenho de ser quem eu sou. Eu não vou deixar que os preconceitos, mesmo de pessoas que considero muito, arranquem de mim todo o futuro que eu quero ter. E mesmo que o futuro não seja tão brilhando quanto eu o busco, eu vou estar lá, buscando sempre algo melhor.

E isso vale para todo mundo: sempre vai ter alguém que a gente gosta muito e que vai tentar nos jogar lá embaixo. Mas não é pra deixar isso acontecer. O que eles não esperam é que, embora ame muito todos, tem uma pessoa que eu amo mais e que eu quero que tenha tudo o que espera da vida: EU! Narcisismo ou não, é o que eu tenho que fazer. Jamais agradaremos a todos, mas o que vale mais é estar bem consigo mesmo. Doer, isso dói mesmo, mas é um processo da vida, certo?

Olhando para minha cara ou não, falando para eu não ser gay na rua ou não, não querendo ser apontada como "aquela que tem o parente gay" ou não, eu sinto muito, mas eu não deixarei de ser feliz e buscar ainda mais a felicidade! A "alforria social" ou "familiar" pode não ter sido obtida, mas a "pessoal" está muito bem, obrigado. E é ela a mais importante! Desculpa, mas amor próprio: trabalhamos e muito bem!

PS.1: vou continuar fazendo aquilo que acredito que é certo. Ficar fingindo que coisas não acontecem não dá mais para mim. A minha esperança é que, em poucos anos, as pessoas pensem que alguém ser contra o fato de alguém gostar de outro alguém do mesmo gênero seja tão absurdo quando a escravidão é hoje. E se alguém não pensar assim, que seja rejeitado da vez.

PS.2: porque o mundo não tá completamente perdido... <3


sábado, 23 de março de 2013

Em passos de formiga...

A gente ainda está em um longo e distante caminho contra os preconceitos que nos assolam. Isso não é novidade para ninguém. Porém, saber disso "dentro de casa" sempre tem um peso maior.

Como era esperado, a minha mãe veio falar sobre meus compartilhamentos e opiniões na internet. Ela não está muito feliz com isso e, para ajudar, outras pessoas da família foram até ela reclamar da minha exposição na internet.

Tive que apresentar meus argumentos novamente, mas parecem inválidos nas cabeças de pessoas que não conhecem bem uma realidade por conta de não conviverem com ela. Eu entendo isso, porque não é tão comum para aqueles so interior verem "pessoas não convencionais" nas ruas.

De qualquer forma, tentei explicar, mas o desconhecimento não ajuda muito. Porém, com a minha irmã, a situação é pior. Ela não é nada aberta e consegue a ter os mesmos argumentos de qualquer pastor fundamentalista. Ela simplesmente disse que ela "não era obrigada" a ver dois homens se pegando.

A questão disso tudo é que realmente a gente tem andado com passos de formiga. Embora com bastante vontade, mas ainda o caminho é bem tortuoso e difícil de passar.

Mas ao contrario do que imaginam, isso não me desanima, muito pelo contrario: me faz ter mais vontade de que, um dia, as pessoas passem a se importar com coisas que lhes são da sua conta, coisas que de fato fazem diferença nas vidas delas.

E é isso: infelizmente, preconceito não é só do portão de casa para fora. Muitas vezes está bem dentro de casa, mas a gente não pode desanimar! Se a gente quiser um futuro melhor, tem que ser assim mesmo! Tem que dar a cara a tapa! Tem que sonhar e ir lá e fazer acontecer!

quarta-feira, 20 de março de 2013

Saudades

Bateu agora um sentimento de saudade inverso. Ok, tem alguns termos para isso, mas eu não lembro agora e nenhum deles não ia chegar ao significado de "saudade".

Na verdade, é um sentimento de saudade do futuro. É uma vontade sentir aquilo que não se tem ou nem ao menos sei se terei.

Eu não sei se pode sentir saudade do futuro. Saudade não é nostalgia? Nostalgia daquilo que não existiu?

Enfim, não sei o que é. Só veio e está por aqui agora. Talvez passe assim que dormir e descobrir que tem muita coisa para fazer e o futuro não vai parecer tão breve assim. E talvez é melhor que não seja; talvez é bom esperar mais por ele, para ter certeza que o mereço, seja lá como ele seja.

É tanta coisa filosófica que eu tô me sentindo o Latinha.

Acho que vou até dormir porque tá tocando música romântica do Justin Timberlake!

Fui!

domingo, 17 de março de 2013

Infelicidade: não me representa

Ontem, sábado, dia 16/03, novamente, milhares de pessoas participaram das manifestações contra o pastor Marco Feliciano em diversas cidades do Brasil e do mundo.

Pastor, vale lembrar de uma coisa: homofobia e racismo têm cura. Para isso, você precisa de educação, informação e raciocínio. Infelizmente, mau caratismo, infelizmente, não tem! #NãoMeRepresenta

Ao invés de fotos dos protestos, desta vez, eu prefiro mostrar "exemplos" daquilo que eu gostaria de ver.












terça-feira, 12 de março de 2013

Dar a cara a tapa

Ontem a noite (bem, já é depois de meia noite...) a minha mãe me ligou para falar o quanto eu estou "ativista". Ela disse que eu estou aparecendo demais, compartilhando coisas demais na internet, que eu estou dando muito minha cara a tapa.

Confirmei: estou mesmo! E vou continuar a compartilhar, vou continuar a pintar a cara e ir para rua enquanto for preciso! Foi o que eu disse!

Aí comecei o que ela chamou de discurso: falei que irei fazer enquanto pessoas morrerem simplesmente por fato de serem gays. Utilizei até o mesmo discurso que utilizo aqui: disse que enquanto crianças se sentirem mal por serem quem são eu farei isso e, já cansado de ser lido por você, disse que não é pra mim, pois sou muito feliz com a minha sexualidade, mas muitas pessoas não.

Ela quis entrar até no mérito de "ser gay por conta de referências". O que ela quis dizer é que eu fui criado pela por ela e talvez faltou uma figura masculina e que não se nasce gay! Obviamente, contestei: disse que realmente não sei se nasce gay, mas isso não é importante: olhando para traz eu consigo perceber desde a infância minha sexualidade. E, exemplificando, perguntei o que ela acha sobre minha melhor amiga ser sapatão mesmo tendo sido criada pelo pai e a mãe: se ela "espelhou" no pai!

Ela também ficou preocupada por conta do trabalho: eu simplesmente disse que todos que convivem comigo sabem da minha condição sexual. Eu não escondo! Da mesma forma que um hetero não esconde ser hetero! Eu sou fã de Britney, amo Emily Thorne e rio sem medo de ser feliz. Qual a possibilidade de eu ser hetero? Mas enfim... falei com ela que hoje em dia, pelo menos no meio mais "humano", o feio é ser homofóbico! Afinal, se você não é um babaca, não tem porquê ir contra a sexualidade de alguém.

A conclusão é que, não que ela seja ignorante, muito pelo contrário, mas tanto minha mãe quanto outras pessoas não são gays e não entendem o que é ser gay. Não é afronta, não é desvio de caráter, não é falta de uma figura masculina ou feminina: você é assim porque é! Não fico questionando de onde "nasceu" a minha sexualidade: vai mudar alguma coisa? Vou virar hetero se descobrirem?

Bem... se alguém descobrir uma forma de virar hetero, por favor, NÃO ME CONTE: absolutamente nada contra, mas felizmente, estou muitíssimo feliz com a minha homossexualidade. Estou muito orgulhoso de ser quem eu sou e não tenho motivos para querer ser o que não sou e o que jamais serei.

Pra acabar (preciso dormir!), vale a pena assistir esse vídeo da participação do deputado Jean Wyllys no Pânico (não, não é palhaçada!). Posso dizer que é umas das pessoas que mais me dá orgulho neste país atualmente. Não há como não agradecê-lo por ser tão ético e corajoso por lutar pelos direitos das minorias, que na verdade, não são direitos das minorias: são direitos que os não minoria tem.


domingo, 10 de março de 2013

Mudaremos... aqui!

E ontem à tarde ocorreram protestos no país inteiro (e inclusive fora dele!) contra o pastor Marco Feliciano. Estou completamente feliz por ver toda essa mobilização e por participar disso.

Hoje foi mostrado que não só de alienados vive este país: não só de pessoas que assistem a Globo; não só de pessoas que assinam a Veja; não só de pessoas reclamam das condições em que nosso país se encontra e que acham que não podem fazer nada para mudar.

Pode, pode sim mudar! Mas não vai ser com a bunda na cadeira que isso vai acontecer! Lembre-se que na época das Diretas Já não havia internet. Mas é importante ressaltar que a internet é um excelente lugar para reunir descontentes e mobilizar pessoas. Mas tenho que admitir que nada tira a força da pressão popular da forma tradicional: ir às ruas e gritar.

Estava agora lendo este texto aqui e compreendo bem a crítica da Maju Giordi. Vou pegar o seu ponto quando ela fala que a minoria deveria mudar para o Canadá (assim como a Luíza), onde os direitos são direitos. Não são como os nossos, que cada grupo social tem o seu de uma forma individual. E, concordando com ela, Papai Gay também acha que deveria mudar para o Canadá por conta disso. Os dois, utilizam-se de uma ironia ambígua: tanto pode ser verdade este sentimento quanto pode não ser.

A questão é que, de qualquer forma, eles estão certos. Quem está errado sou eu, pois quero ter o direito de ficar (tenho?). Porque quero ter o direito de sonhar com um futuro. Quero poder ver este futuro sendo da forma que ele for. Quero ter o direito de viver no país no qual nasci e onde pretendo construir toda uma vida. Quero buscar mudar a realidade do país no qual outros brasileiros ainda sofrem descriminação. Quero mudar o futuro daqueles que ainda não nasceram: pretendo que eles não vejam aquilo que vejo, assim como aposto que minha mãe uma vez já pensou que não gostaria que o filho dela vivesse em um país onde não se poderia escolher seus governantes ou em um país em que criticar o governo lhe causaria a morte.

Pois bem: eu não quero um Brasil no qual a pessoas sofram preconceito (velado e não tão velado assim) pela sua cor de pele. Não quero um Brasil no qual não ser heterossexual é considerado anormal. Não quero um Brasil no qual um livro de mais de 3 mil anos, cheio de ambiguidades e más interpretações de todas partes, seja mais importante que a Constituição Federal, que abriga garantias constitucionais aos cidadãos do país.

Não, eu não quero me mudar para o Canadá, nem para a França ou para qualquer outro país. Eu quero ficar aqui! Eu quero subir a montanha pela parte mais difícil. A caminhada vai ser mais difícil, mas, no final, vai valer a pena. Afinal, alguém vai ter que ir lá um dia... porque não irmos lá já então?

sexta-feira, 8 de março de 2013

#ForaFeliciano

Na  Carta Capital, um texto com o título que realmente traduz meu dia de ontem: 


Hoje, nada muito diferente. Veja:


É... se a luta não for de todos os brasileiros, eu já não sei mais o que é.

Assine:


Participe:


Em São Paulo ->https://www.facebook.com/events/496590727072330/?ref=22

Em Curitiba ->https://www.facebook.com/events/429975947096001/

Em Porto Alegre ->https://www.facebook.com/events/459763727430947/

Em Salvador ->https://www.facebook.com/events/547962818557714/

Em Fortaleza ->https://www.facebook.com/events/228308493980868/

No Rio de Janeiro ->https://www.facebook.com/events/445797575497138/

Em Natal ->https://www.facebook.com/events/106407749549095/?context=create

Em Brasília ->https://www.facebook.com/events/555770894442464/?fref=ts

-------------------------

Em Belo Horizonte ->
http://www.facebook.com/events/563794263631926/?ref=3

Em Recife ->
https://www.facebook.com/events/132841083560903/

Em Florianópolis ->
https://www.facebook.com/events/251495138319802/

Em Pelotas ->
https://www.facebook.com/events/431085240309623/

Em Sete Lagoas ->
https://www.facebook.com/events/337591909693312/

Em Juiz de Fora ->
https://www.facebook.com/events/167293276761030/

Em Uberlândia ->
http://www.facebook.com/events/421682721258035/?ref=3

Em Vitória ->
http://www.facebook.com/events/280952168703795/

Em Londrina -> 
http://www.facebook.com/events/439588009451137/?ref=3

Em Feira de Santana ->
https://www.facebook.com/events/621241941226591/

Em Buenos Aires ->
http://www.facebook.com/events/344755852296961/

quinta-feira, 7 de março de 2013

O dia das piadinhas sem graça

Hoje todas as piadinhas foram sem graça. Mais ainda: foram reais. Infelizmente, hoje não foi um dia que eu me orgulhei de ser brasileiro. Hoje foi um dia que eu não pude olhar em volta e pensar que tudo é meu! Não, hoje o país não foi meu. Hoje o meu direito de ter meu país foi arrancado de mim. Hoje o país foi dos fundamentalistas e dos corruptos.

Vamos aprender a separar as coisas: uma coisa é você ser religioso, outra coisa é você ser um fundamentalista. Religiosos seguem uma religião, mas pensam por si próprios. Fundamentalistas, infelizmente não. São ovelhinhas, são manipuladores ou manipulados. São os apresentadores do circo ou os espectadores.

Hoje o deputado ASSUMIDAMENTE homofóbico e racista foi votado como o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minoria. Sim... "e minoria"! Um evangélico fundamentalista homofóbico e racista foi eleito presidente da CDHM. Eu estava ouvindo a reunião nesta manhã. O PSC é simplesmente um partido tosco, absurdo, ridículo, preconceituoso e sei lá mais o quê! Generalizações? Sim, pode ser que seja mesmo! Mas os integrantes do partido que estavam lá para a votação não me provaram o contrário!

Para variar, os fundamentalistas quiseram sair como vítimas, falando de "cristofobia". Porque sim... eles sofrem muito isso! Porque gays saem por aí falando que Jesus jamais existiu e que pessoas são babacas por acreditar nele e ainda espancam quem acreditam em Jesus e em Deus? Não é verdade? Porque gay não são agredidos na rua, não são agredidos com palavras todos os dias. Os gays são os grandes vilões, porque eles querem respeito e não merecem! Porque são gays! E gays não merecem respeito!

O novo presidente da CDHM é aquele ser do vídeo do post anterior! Então você pode ter uma noção do que se trata. Pode ter noção também aqui, pois é acusado de estelionato! Ou seja... religiosos estão com Jesus e são isentos de pecados, certo? Por isso que temos que criminalizar os ateus, porque só ateus são ruins!

Eu já falei, mas falo de novo: vou sim falar, brigar, fazer o que tiver que fazer para que tenha um mundo melhor! Não vou nunca aceitar que alguém abra a boca para falar que um homossexual vai ser castigado por deus ou não vai ser feliz! As pessoas não tem direito algum sobre a felicidade alheia! Eu não vou aceitar jamais que alguém perca a sua vida simplesmente por ser gay!

Quem puder, vá, divulgue, faça alguma coisa! E não é só falar de país laico: é falar de um país que é de todos. Filho da puta nenhum que nasce neste país deve ter direito maior que qualquer outra pessoa!

Atos de Repúdio contra Marco Feliciano pelo país:












Que esse triste dia na nossa história possa despertar menos ódio e mais luta pela igualdade. Que a gente não veja nunca mais ninguém sendo xingado por ser gay. Que a gente nunca mais veja o maior desmatador da Amazônia na presidência da Comissão de Meio Ambiente.

POR FAVOR, não desista de acreditar neste país! Ele é nosso, é de todos! E deverá ser de todos SIM, porque todos nós temos deveres e direitos e ninguém é melhor que nenhum de nós! Uma batalha perdida não significa que a guerra seja vencida! E sabe como vamos ganhar a guerra? Não com armas, mas com conhecimento, respeito e amor!


Imediata destituição do Pr. Marco Feliciano da Presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal


Vídeo "ungido" e que confirma que tem E SEMPRE HÁ MUITO A SER DITO...

quarta-feira, 6 de março de 2013

Direito Humano

Para quem acompanhou hoje, a votação que confirmaria o homofóbico e racista pastor Marco Feliciano como presidente da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS foi adiada por conta de protestos. Portanto, MUITO OBRIGADO a vocês que estavam lá e gritaram para nos livrar de um ser destes numa comissão que discute assuntos que são importantes para as minorias deste país.

Embora ainda há chances, temos que torcer e gritar para que um ser tão asqueroso e ridículo presida a comissão. Ridículo sim, pois não sou capaz de aceitar que algum ser humano seja é contra outro ser humano por conta de variáveis que não são de sua conta.

Porque um idiota desses se opõe a felicidade alheia? Alguém aqui já viu algum homossexual ir numa igreja como a desse ser e querer fazer com que as pessoas lá acordem da manipulação feita?

Do mesmo jeito que não faz diferença na vida desse ser que eu seja homossexual, não faz diferença na minha vida que milhares de pessoas sejam alienadas a dar dinheiro para ele porque deus não as salvariam se não o fizessem (Dúvidas? Clique aqui e descubra como um pastor pode ganhar R$45.943,00 em 8 minutos!). Mas aí atinge o ponto de interferir na vida de alguém...

As falas dele interferem não só na minha, mas de muitos homossexuais aí fora. Concordo com o N.B. que comentou que prefere ignorar um ser desse para não se estressar, mas eu não consigo! Eu não consigo não por mim, mas por outros! Eu já falei isso aqui: eu não consigo parar de pensar que muitos outros não se sentem tão à vontade com suas sexualidades ou tenham família tão bacana como a minha. E eu não tô falando só de seres de 25 anos: estou falando de crianças de 8, 10, 13, 16 anos que se descobrem e percebem que tem algo de "especial" nelas, algo que é diferente dos demais. E também estou falando de seres de 25, 30, 80 anos que não se sentem confortável com eles mesmos. Eu sei que, infelizmente, não são todos que conseguem ligar o "foda-se" como eu, enquanto isso direcionado a mim. Eu não ligo em relação a mim, mas aos outros que possam sofrer com isso.

Bem, não queria que isso sem passasse ser ser registrado, só porque, daqui uns anos, vou querer reler isso aqui de novo e falar "Puta merda... como o cara era otário! Ainda bem que o mundo mudou!". Se acabou a escravidão e as mulheres começaram a votar, é porque alguém foi lá e brigou por isso. E isso não parece tão retardado hoje em dia? Pois é... ser homofóbico vai ser tão mais ridículo daqui um tempo do que já é hoje em dia... Sorte de quem saiu à frente e já sabe o que é ser um ser humano!

PS: E ao contrário da foto, eu espero sim que meu país tenha jeito!

segunda-feira, 4 de março de 2013

Eu não gosto de você, seu gay!


Hey aí! Tudo bem?


Como eu sinto falta de escrever aqui! Mas não é só preguiça (98% é!), mas também inspiração! Tem dias que a gente tá mais à vontade e tal, mas vamos lá!

Quem visita aqui sabe que eu não tenho ordem de nada pra escrever, não tenho pauta, as coisas simplesmente vão! Aliás, para não quebrar essa regra de não ter regra, sugiro a leitura do texto do N.B. que, sem dúvidas, para mim, foi o melhor texto desde o início de suas postagens. ACHO que não tem nada a ver com o que eu quero falar, mas né... é bom assim mesmo! Clique aqui pra ver! Mas volta!!!!!! (e não deprime... pq eu já liguei a playlist das músicas down depois do texto!)

Voltaaaaaando ao assunto... eu queria ter escrito antes isso, mas o assunto é atemporal, então não vejo problemas.

A umas semanas reunimos alguns amigos e amigos de amigos para conversar, para variar um pouco de saídas para baladas e tal. Foi tipo uma reunião, sei lá. Uma festa? Enfim, um monte de gente numa sala conversando sobre assuntos variados. Dentre essas pessoas, dois casais (um hetero e outro gay) e outras pessoas aleatórias (eu! e outros).

Blábláblá e vários assuntos e um assunto que me interessa bastante: homofobia por parte de gays. Sim, isso acontece, existe e presenciei. Um dos meninos (gay!) disse que não gosta de gays, que prefere ter amigos hetero (?). Gays seriam muito "mafiosos", "fofoqueiros", "esparramados" etc.

Eu compreendo em partes. Eu sei que existem muitos assim, principalmente aqueles que buscam passar por cima dos outros e que fofocam bastante, mas isso não seria generalização? Não existe isso no mundo hetero?

A parte dos "esparramados" eu simplesmente deixei pra lá. Você não pode ser "gay" na rua, tá? Pq vc é homem/mulher, porra! #CoceiOSaco E você não pode ser "gayzinho" na rua pq um "homem gay" vai se sentir ofendido por isso, ok?

Desculpa, esse texto tá uma bosta, eu tô cansado (são 01:10!) e ainda fico pensando porque eu sou obrigado a ouvir uma dessa. Sério que existe "Manual de comportamento gay"? Sério? O que eu penso é que, seja lá a condição sexual, a pessoa tem apenas que respeitar as demais (tipo, não existir aquela clássica piadinha pedreira).

A questão é que existe uma hipocrisia muito grande em tudo. Preconceitos velados. Sério que precisa disso tudo? Alguém gay não gostar de gay por ser gay faz muito sentido, certo?

PROMETO fazer um texto melhor da próxima vez, ok? Essa porra tá ruim demais, caralho! #FraseHetero Mas ó... se vc é um gay hetero, só uma coisa: não odeie as gay não! Ninguém aqui tá precisando de mais preconceito, muito menos vindo de você! A gente já tem Malafaia fazendo bem o serviço!

PS1: Um texto melhor que o meu. Vale a pena jogar no translator e dar uma lida: http://www.homorazzi.com/article/gays-self-hate-bashing-ignorance-tolerance-self-esteem-ugc/

PS2: Não posso deixar aqui meus parabéns pela indicação de um pastor homofóbico e racista para presidir a Comissão dos Direitos Humanos. Dúvidas? Aqui! Taí um dos motivos que eu sou a favor de menos estádios e igrejas e mais hospitais e escolas de formação sociológica e filosóficas. Quem sabe assim, no futuro, não seremos obrigados a ouvir de alguém que descendentes de africanos são amaldiçoados. Quem sabe assim poderemos aprender um pouco mais sobre a formação da sociedade brasileira por meio da história e biologia. Sua família está no Brasil a, pelo menos, 150 anos? Moça... sabe aquela história de seu DNA ser 100% europeu? Então...