quarta-feira, 29 de junho de 2011

Como você enxerga?

É incrível como existem pessoas que eu mal consigo descrever em palavras. Aliás, sei lá se consigo! Gente, que século estamos mesmo? Para quê tanta informação? Para quê tanta tecnologia, se muitas pessoas ainda vivem com o pensamento mais pré histórico que os dinossauros! Aliás, eu sei que os humanos apareceram bem depois disso, mas, nem eles deveriam ser tão "exóticos" como alguns que temos agora.

Não vou usar nenhuma palavra groceira para referir a essas pessoas, mas vou usar uma que é comumente usada e que deveria ferir mais que uma faca no peito: PRECONCEITUOSOS. 


De quê eu estou falando? Preconceitos, óbvios. Preconceitos contra raça, crença, orientação sexual e qualquer outro preconceito que possa existir.

Vou focalizar na ORIENTAÇÃO SEXUAL... sim! O-r-i-e-n-t-a-ç-ã-o! As pessoas não decidem se são héteros ou gays! Vc é o q vc é! Não é culpa da tv, da internet, do colega gay, do meio onde foi criado! A "opção" sexual não existe: vc não decide gostar de mulher essa semana e semana q vem de homem. Você é desse jeito. Se é quando se nasce ou não; isso é o que menos importa. É assim... this way! E não se muda, não se troca. Ninguém tem olhos castanhos hoje e amanhã decide mudar para azuis. Pode-se comprar uma lente, mascarar, mas você sempre terá seus olhos castanhos.

Isso tudo é pelas barbaridades que eu e milhões de pessoas somos obrigados a ler, seja nos jornais eletrônicos, nas comunidades do Orkut, no Facebook ou em qualquer meio.

Jamais descriminando os gays que são diferentes das observações abaixo, mas as incluíndo como forma de ênfase para algo que não é visto ou percebido:

Ser gay não é viver como uma parada gay, que como li, e que faz sentido, parecem demonstrar um mundo de sexualidade aberta, já que homens seminus não param de se exibir; 
não é querer ser mulher ou travesti; 
não é ser afeminado;
não é querer chocar o mundo;
não é pensar em putaria;
não é ser pervertido;
não é querer acabar com o "padrão" de família.


Ainda hoje as pessoas pensam que ser gay é querer ter nascido mulher e querer "dar" pra tudo mundo! Será que isso é simples assim? Gay não pensa? Gay não sente? Gay não é ser humano e, portanto, não tem direito de ser feliz? As Igrejas não ajudam, isso é fato! Homossexualidade não é de Deus! Quem são essas Igrejas para mostrar o verdadeiro Deus, se grande parte delas estão aí para conseguir o dinheiro dos fiéis! É mentira? Joga no Youtube; vá ler a história de uma certa Igreja que pondera desde a Idade Média.



De modo algum eu estou ofendendo aqueles que têm fé. Primeiro pense em vocês; veja onde está seu Deus! Está cruscificado lá na Igreja ou vivo dentro de seu coração?!  Ainda nisso, é bem triste quando somos obrigados a ler/ouvir "homossexualismo"! Prefixo -ismo, que se refere à doença, como tabagismo! Li essa reportagem da Veja (ok, não me responsabilizo pela fonte) com o Bruno Chateaubriand. Mal sei quem é o figura. O pouco q sei parece q não é muito bem visto, mas achei super real a entrevista dele. 


As pessoas parecem ignorar a presença de gays na tv (não os personagens... os atores mesmo!), na política, na Igreja, na academia, na padaria, nas escolas e faculdades? Nem que muitos pais e mães de famílias sejam gays? Muitos se escondendo atrás de um casamento de faixada ou outros, pouco visíveis, que estão há anos com seus companheiros e que têm filhos que são orgulhosamente filhos de uma família na qual não existem preconceitos, na qual o amor prevalesse. Esse post todo é pra mostrar como é triste ver que muitas pessoas reagem com preconceito - e porque não dizer violência, muitas vezes - à várias coisas que elas desconhecem. 


Você tem que sair do seu palácio de cristal e passa a enxergar o mundo com outros olhos. Vê que existe muito preconceito, muito desrespeito fora da bolha. Mas que também existe muitas luta, muito amor, muita força, muito empenho e dedicação para fazer o mundo melhor. Não é questão de realizar grandes eventos para "ajudar a humanidade", mas melhorar cada um de nós para que no dia a dia nós saibamos conviver com as diferenças e, se não puder/quiser ajudar, pelo menos respeitar as pessoas que buscam fazer seus melhores para que sejam cada vez mais felizes.




Será que é tão difícil entender e aceitar que ninguém escolhe ser gay (assim como escolhe ser hétero)? 

Já pararam para pensar o que é passar toda uma adolescência lutando calado, sozinho, contra algo que você não entende e que não pode compartilhar com ninguém, porque te ensinaram que aquilo é errado, é imoral, é anti-Cristo? E que ninguém vai te amar por causa disso - porque você é simplesmente algo anormal?

Será que é possível compreender que o que queremos não são privilégios - é somente igualdade?

Será que é muito pensar que também temos sentimentos e queremos ser felizes?

O que interferimos na sua vida? Em você? No seu filho?

Você acha que alguém vira gay por conviver com outro gay? Será que um gay também vira hétero convivendo com um hétero? Será que eu devo usar drogas se todos usam? Devo pular do buraco porque todos estão pulando? Devo arrumar um jeito de ter olhos claros porque todo mundo tem olho claro?

Será que ser gay tá na moda como todo mundo diz? Será que preconceito tá na moda? Será que ser discriminado tá na moda? Ou será que estamos ligando nosso "foda-se", nos permitindo ser nós mesmo, não querendo esconder de ninguém e querendo ser feliz? Será que tem mais gays hoje em dia ou será que antes os armários eram mais trancados e a discriminação era pior do que hoje em dia?

O mundo não é gay; o mundo não é hétero; o mundo não é católico; não é islâmico; não é dos Estados Unidos; não é da Europa - grande descoberta: o mundo é de todo mundo, é diferente e continuará ser.

Não tô querendo que você saia por aí apoiando a causa gay. E muito menos vou utilizar daquele artifício que vários homossexuais também utilizam de falar que "todo homofóbico é um gay enrustido" - uma lástima que atiramos a nos mesmo. O que eu estou pedindo é apenas respeito. Estou pedindo que você me dê condição de viver com dignidade que mereço, num mundo que também é meu, podendo ser feliz e deixar que você também seja.


Quero poder andar na rua sem ser apontado, sem ser discriminado, vaiado ou sofrer agressões morais ou físicas. Quero só ser feliz.

A nova "Bolsonaro"?

Demorei alguns dias até postar sobre isso. Na verdade, preguiça. É a mesma preguiça que toma conta daqueles que passam por aqui e também não comentam! Na verdade, não tem como negar que qualquer comentário te deixa feliz.

Eu queria fazer um blog com trocas de informações, de sentimentos, de histórias, mas não tem ocorrido. Claro, eu não faço muita divulgação do blog, logo não tem como muitas pessoas achá-lo, mas vai que um dia minha idéia dá certo.

Parando de enrolar... queria analisar essa nova "Bolsonaro" que a gente ganhou... a distintíssima Myrian Rios, deputada estadual do PDT (o que pra mim não significa, já que no Brasil todos os partidos são uma merda só!).

Essa senhora veio com uma história de associar o "homossexualismo" (palavra que eu ODEIO com todas as minhas forças) e pedofilia. PQP... será que a gente tem que ficar martelando para sempre a mesmíssima coisa! É tudo questão de uma filosofia "esteriótipo-correlacionativista"? Então beleza... continuaremos com os esteriótipos. Pq gays são pedófilos e destruidores da família. E todos os héteros são honestos, não são pedófilos, não roubam nem matam, não têm HIV/AIDS... é isso? É sempre isso?

O ponto central é que eu simplesmente não entendi a moral que essa criatura tem para falar de qualquer outra pessoa. Não estou falando das fotos sensuais ou nuas que ela fez para uma revista (eu não sei de fato, por motivos óbvios, não me interessei em saber). Mas, enfim... hoje em dia, alguém não tem telhado de vidro? Existe alguém nesse mundo que está absolutamente isento de qualquer problema que ponha em xeque sua honestidade / educação / confiança / ética / dignidade?

Não tenho vergonha de falar que já errei muito. E grande parte desses erros afetaram mais a mim mesmo que qualquer outra pessoa, mas aprendi com eles.

Eu só acho que NENHUMA pessoa tem direito (ou, pelos menos, deveria) de julgar a outra. Mas isso é controverso, não? Senão eu não a julgaria por falar essas besteiras. E ela não me julgaria em ser gay. Será que não importa que eu sou homem, que eu cumpro meus papéis como filho, irmão, neto, colega, amigo, estudante, trabalhador e cidadão porque eu sou gay? Tenho menos direito à vida perante Deus? Tenho alguma coisa em especial que vai me direcionar ao inferno por gostar de pessoas do mesmo gênero que eu? Se eu fosse um hétero desonesto, ou ladrão, ou assassino, ou não fiel com minha esposa, ou antiético eu estaria salvo por ser hétero?

Obrigado, não vou querer essa salvação!

terça-feira, 21 de junho de 2011

A simples diferença entre brancos, negros, heteros, gays, racistas e homofóbicos

Gays e a justiça brasileira

É muito engraçado ser gay no Brasil. Eu não teria outra palavra para descrever isso. Embora eu não conheça todos os países do globo, eu não sei se existe um país tão hipócrita quanto o nosso.

Isso é o tipo de coisa que não se discute. E se é discutido, não surte efeito nenhum porque ninguém faz nada. Somos um povo hipócrita e corrupto! Alguém discorda? Não é bem assim?

Vivemos atrás de preconceitos e preconceitos. Velados ou escancarados. Vivemos nesse "jeitinho brasileiro" que só demonstra nossa ignorância.

A culpa disso é histórica, blábláblá... nem vale ser discutido isso. O fato é que estamos no século XXI e ainda tem tanta coisa absurda que não dá para compreender.

Uma notícia como essa, na qual fala de UM FILHO DE UMA PUTA que quer tentar acabar com o direito dos homoafetivos a união civil é absurda e triste. Eu realmente fico chateado com isso. Eu fico me perguntado o porquê desse ódio, desse sentimento que talvez não tenha nome! 

Eu já não aguento o argumento por parte de gays que ficam falando que pessoas homofóbicas são gays enrustidos! Isso é outra coisa absurda de se pensar. Será? As pessoas que têm preconceitos raciais na verdade são de uma outra raça, porém enrustidos? Se eu não gosto de futebol é porque eu queria ser jogador de futebol? Esse tipo de coisa não faz sentido.
A notícia-bomba da semana passada foi sobre o cancelamento da primeira união em Goiás. Gente, sério... porque? Teria alguma explicação lógica?

Sinceramente, se existe algo que eu acredito que exista em nós, homossexuais, é a sensibilidade que possuímos ou aprendemos a  ter. Talvez por tanto preconceito por aí e sempre os conflitos internos e externos que enfrentamos, acabamos nos tornando pessoas que são induzidas à reflexão constante. E eu simplesmente não consigo entender isso. Eu não entendo o ódio, a repulsa ou sei lá o que que as pessoas vêm nisso: no outro em ser feliz. E isso não é só em relação aos gay: muitas pessoas não sabem ser felizes e não querem que as outras sejam. É algo inexplicável.


Voltando a justiça... eu acho que foi algo que demorou tanto a ser conquistado: a possibilidade de se sentir pelo menos com direitos mais iguais aos "não homoafetivos". Aí, vem um representante do povo e quer tirar isso. Ok, ele também representa aqueles que não querem a união civil. E se a gente não esperar que a justiça modifique aquilo que seja antiquado e injustiço e continue obedecendo aos cidadãos mais desprovidos de inteligência compreensiva, acaba tudo aqui - provavelmente nós ainda teríamos escravos e estaríamos num sistema feudalista.
Eu sou brasileiro. Tenho orgulho do meu país, mas sinto muita vergonha por muito de meus compatriotas.

Só para finalizar, essa frase que eu acho incrível da Liz Feldman, roteirista do programa da Ellen DeGeneres.

Para quem não entende nada de inglês, uma tradução livre. Para quem intende, desculpa!

"É muito importante para mim a questão do casamento gay. Ou, como eu gosto de chamá-lo: `Casamento`. Você sabe, porque eu almocei essa tarde, não tive um almoço gay. Eu estacionei meu carro; eu não estacionei isso de forma gay.".

terça-feira, 14 de junho de 2011

Doar-se

Doar-se...

sim, o que eu vou falar é sobre doação. Esse "doar-se" pode ter os mais diversos significados. Nesse caso, é a doação de sangue.

Estava agora pouco vendo tv (uma coisa muito rara nos dias atuais!) e vi uma propaganda sobre doação de sangue. Lembrei do blog e queria compartilhar uma experiência que eu tive.


Antes de eu começar a escrever essas linhas, vi um link postado no Facebook por uma colega. Uma reportagem do iG sobre o tema. Decidi então ler antes de postar qualquer coisa aqui.


O título da reportagem "Faixa etária para doação de sangue é ampliada no País" não demonstrava aquilo que eu queria discutir. Porém, encontrei no texto o que eu não esperava. A questão da doação de sangue por pessoas não heterossexuais.

Posso dizer que tenho propriedade para falar sobre o assunto porque eu vivi isso. Uma vez, eu fui em um local de coleta e me propus a doar meu sangue para um amigo da família que estava internado. Como de praxe, precisei ser examinado por um médico. Eu, que nunca havia doado sangue, fui surpreendido por uma questão que realmente me deixou constrangido: se eu era uma pessoa que tinha relações sexuais com outros homens.


Aquilo me deixou assustado simplesmente pelo fato de não conseguir compreender a relação disso com o fato de doar sangue. Não é possível negar que somos compreendidos como parte do malfadado "grupo de risco". Fiquei atônito e sem compreender o porquê daquilo, já que estou cansado de saber que toda a coleta que fazem necessita ser muito bem avaliada. Não posso acreditar que eles simplesmente injetam o sangue nas pessoas, confiando nas suas respostas, inclusive se o seu sangue é o tipo tal e que se é heterossexual o sangue "tá limpeza"! Eu, evidentemente, neguei que pudesse estar naquela condição.

De qualquer forma, eu não doei o meu sangue. O médico disse que parecia haver algum problema no meu coração e portanto era melhor eu não doar. Desesperado, sair sem rumo daquele local. Para uma pessoa de 20 anos, com certeza essa não é uma das melhores notícias a ser ouvida. Claro que após isso fui procurar especialistas para me avaliar e estava tudo bem.

A questão é que eu não doaria simplesmente por fato de ser gay. Se eu tivesse me posicionado assim, seria descartado diretamente. Independente de como eu cuido de mim, não importaria mais nada - eu fiz sexo com um homem e estaria descartado de salvar minha vida por eu ter um "sangue gay".

Voltando a notícia... ela me deixa feliz. Espero sinceramente que o preconceito com relação aos gays com relação a isso diminua. E o preconceito não é só aquele escancarado. Esse preconceito que exclui sem ao menos conhecer também fere. Foi a partir dele que, infelizmente, me posicionei como uma pessoa não propícia à doação de sangue. Hoje, por essa notícia, eu me torno elegível novamente. Não vou fingir que irei amanhã mesmo doar sangue; vou ter que esperar, pois sei que isso vai demorar um pouco a ser difundido por aí, mas eu tenho que agradecer pela possibilidade de não sofrer preconceito com relação a isso e ainda ajudar alguém que precise.

UPDATE 16/06/11

Às vezes, eu acho o Brasil uma grande piada de mal gosto. Além dos velados preconceitos existentes nesse país, além da corrupção "de Brasília" reflexo absoluto da própria população, eu ainda sou obrigado a ser uma outra versão da notícia que postei. E aqui está ela. Simplesmente quebra tudo o que foi dito anteriormente. Se é para ser dito, será: basicamente, gays podem sim doar sangue, DESDE que estejam a um ano sem terem tido relações sexuais em um ano. Piada pronta? Aquela questão de perguntas idiotas sobre a orientação sexual não terá que ser usada de qualquer forma, então?

A gente faz um esforço tão grande para amar esse país, cheio de problemas, injustiças, falta de oportunidade para quem é descente e honesto e ainda ocorre isso! Eu não posso nem colocar a culpa nos governantes; como já disse, são todos reflexos da sociedade. Se eles não prestam, com certeza muitos de nós "aqui fora" não prestamos também.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Did you hear about our John...

Trago um dos melhores achados do ano...

"Did you hear about our John" foi um pequeno quadro do "The Catherine Tate Show", um programa irlandês de humor. Já tem um tempo que foi exibido, mas o engraçado é a situação.

Vai... não vou contar muito, mas John foge dos esteriótipos e isso que deixa o vídeo engraçado. Além desse, recomendo todo o show da Tate, é fantástico!

Apesar de estar em inglês e sem legendas, parece ainda bastante engraçado! Vale a pena também para quem não entende inglês (muito menos com esse sotaque engraçado!)

Diferente daquele diferente; não igual ao "padrão"...

Oi pessoal que passa por aqui! Peço desculpas por falhar, por demorar a retornar. Como podem ver, ainda este não é um super blog (e provavelmente não o será). Apesar de pouco conteúdo, ele ainda vai crescer.
Confesso que na mesma hora que me empolgo em começar um blog, algo que eu gostaria muito de ter, eu fico me perguntando qual seria o meu diferencial frente aos outros.

A resposta eu tenho daquilo que eu vejo, assim como muitos. Tanto que já foi até falado no post anterior, mas é tudo estereótipo. Eu não queria escrever porque aqui não vai ser pornografia; não vai ser a busca incessante por sexo; não vai ser de um gay se jogando à Lady Gaga.

É um blog que sou só eu. Filho, irmão, neto, estudante, trabalhador (no sentido que trabalha, ok?! Haha). Não parece nada muito diferente.


Eu fico pensando como é isso com as outras pessoas - na verdade, com os outros gays "não afeminados". Eu não sei como não deixar isso pejorativo em relação aos demais. Isso partiria para uma classificação. Poderia talvez chamar de "no armário", "enrustidos". Se alguém tiver uma tradução de como denominar um "gay com jeito de homem" alguém me avise.

E é nisso que eu vou querer direcionar o blog. Não quero ficar só na problematização de ser gay e as implicações e blábláblá. Quando necessário e eu se eu sentir vontade de falar algo, claro que farei isso. Mas quero passar e receber experiências também. Quero um blog mais sobre as coisas que estão acontecendo. Discutir desde políticas, passando por humor, viagens e amor, claro. E acho que alguém que quiser falar algo, mas não tem vontade (ou tem preguiça!) de fazer um blog, pode me enviar um e-mail ou comentar aqui e eu postarei com créditos! O blog é para isso: é para se conhecer os diversos outros lados que nunca acabam!

sábado, 4 de junho de 2011

Sendo gay

O título do post não faz muito sentido para mim, mas o que parece funcionar na cabeça das pessoas não gays é isso: outras pessoas se tornam gays, porque (...)...

Não sabem! Não respondem! É isso que pensam! Você era um feliz heterossexual e de um dia pro outro acorda gay! Aí você se torna um sem-vergonha, pervertido e quer acabar com sua família.

É tanta coisa bárbara que se escuta. E uma delas, a qual é usada inclusive pelos homossexuais, é "homossexualismo". Isso chega a arder! Esse termo era utilizado para descrever a homossexualidade como uma doença.

Estava lendo em algum lugar a respeito do estereótipo gay e me fez todo o sentido. Eu sempre reclamo (comigo mesmo) desses estereótipos gays que estão sempre na mídia. Não sabendo como me expressar sem parecer uma forma preconceituosa, mas falando - eu acho que não representa tudo o que estar atrás de ser gay. Mas a questão que me chamou atenção foi a respeito disso: por que é esse "tipo" de gay que aparece na mídia?

Os não afeminados, que gostam de se apresentar assim (e eu me encaixo nisso), não saem por aí dizendo que são gays (o que também acho desnecessário) ou estão por aí em armários. E isso que ajuda a manter esse estereótipo gay. Não sei como resolver isso, de fato. Eu não me excluo disso tudo e não acho tudo simples assim.

Enfim, um dos pontos que acho interessante e que parece valer alguma coisa é nós, enrustidos ou no armário - ou qualquer outro sinônimo -, é nos afastar de piadinhas que fazem com relação aos gays. Muitas vezes nós somos induzidos a falar ou acrescentar algo para manter nossa "imagem heterossexual".

Na verdade, o que acho, é que cada um tem que encontrar o seu caminho - muito além de mostrar para as pessoas qualquer coisa - de se amar e ter  orgulho de quem se é - não de quem se está sendo ou parece ser.

Bem, o blog tá começando! Eu queria sempre saber como é com as outras pessoas, como é estar aí do outro lado. Ficarei feliz em saber!

Para finalizar, só um vídeo do "O Menino Velho". Sou fã desse cara, dos vídeos dele.